Share

Fique forte, corra mais e melhor! – por Gabriel Silva

Para muitas pessoas a palavra força é um problema. Ela remete à homens fortes como os levantadores de peso ou as estrelas do cinema. Mas ser musculoso e ser forte são detalhes diferentes e podem fazer a diferença na sua corrida.

Força é uma capacidade de superar uma resistência. Treinar força vai fazer com que ensine seu corpo qual o tipo da atividade realizada e qual a força que ele deve gerar. Quanto mais complexo for o tipo do exercício, mais o corpo precisa estar preparado para realizá-lo e mais energia será necessária, e mais calorias serão gastas na atividade.

O corredor com maior capacidade de gerar força vai ter melhor coordenação motora, melhor técnica de movimento e condicionamento físico.

Treinar força também é treinar o cérebro e isso vai deixar o corpo mais eficiente para correr mais rápido, mais longe e com muito mais qualidade – antes, durante e depois de treinos e provas. Assim você economiza energia nas subidas, nos tiros e até nos longões.

Não existe melhores e piores exercícios e sim tipos de movimentos. Veja exemplos abaixo:

Empurrar (Supino, Desenvolvimento)

Puxar (Barra Fixa, Remadas)

Agachar (Agachamento, Afundo)

Levantar (Levantamento Terra)

Assim que os exercícios foram ficando mais fáceis, vá aumentando peso, diminuindo a base (largura dos pés ou da pegada), aumentando o tempo de cada repetição, entre outras variações para aumentar a intensidade e eficiência do treinamento.

A quantidade de treinos de força por semana varia de acordo com a proximidade das provas. Ao iniciar a preparação para uma prova, recomenda-se de 2 a 3 vezes por semana em alta intensidade, sempre intercalado com a corrida. Ao se aproximar da prova, o objetivo que é correr deve ser prioridade, realizando o treinamento de força apenas 1 a 2 vezes por semana, diminuindo a intensidade.

Ao contrário do que se imagina, o treinamento de força não deixa ninguém pesado, musculoso ou lento. É apenas um estímulo para o cérebro se comportar mais rápido e com mais eficiência, aumentando a performance e a capacidade de recuperação. Uma alimentação adequada aos objetivos do corredor deve ser elaborada por um profissional capacitado.

 

Gabriel Silva é profissional de Educação Física, preparador físico, especialista em treinamento Físico Funcional