Share

Inchou?

Não tem jeito, vem o calor e o corpo incha. Em geral, esse efeito ocorre nas pernas, nos pés e nos tornozelos em razão do aumento da temperatura que provoca a dilatação das veias. Além da retenção de líquidos, a prisão de ventre e os gases também provocam esse efeito na região abdominal. É preciso estar atento porque o sinal pode ser sintoma de algum problema de saúde. Porém, na maioria das vezes – em especial quando surge aquela preguicinha de treinar e, ao mesmo tempo, há certo exagero na alimentação, o problema pode ser facilmente resolvido com a alteração de alguns hábitos. Voltar a atenção para o próprio organismo é o primeiro passo para eliminar o desconforto.

Deixar a atividade física de lado é favorece o inchaço. Ou seja: Estufou? É um aviso de seu corpo de que é preciso retomar a atividade física, pois os músculos em repouso não acionam a panturrilha, o que impede o bombeamento do sangue de volta ao coração – um processo fundamental para o bom funcionamento do organismo de forma geral. Outra coisa importante: prestar atenção não só ao que come, mas com que frequência se alimenta e como faz isso.

Os inchaços na barriga são frequentemente associados aos efeitos dos alimentos e, não raro, pelos excessos – e, convenhamos, esse período do ano muitas vezes nos convida a essas escapadinhas. Claro que ninguém é de ferro e de vez em quando vale se permitir algumas fugas, mas é importante avaliar prós e contras. A sensação de “estômago cheio”, por exemplo, é sinal de houve sobrecarga do trato gastrointestinal, o que prejudica a digestão. Além de causar mal-estar momentâneo, ceder à gula pode fazer o estômago “aumentar”, já que ele precisa se adaptar para receber o alimento ingerido. Uma providência importante para evitar do inchaço do abdome é comer devagar, com atenção ao alimento ingerido. Mastigar lentamente facilita o processo de digestão e absorção dos nutrientes. Alguns alimentos, no entanto, têm moléculas mais difíceis de serem “quebradas” e absorvidas. É o caso de vegetais como brócolis, repolho, couve-flor, couve-manteiga, batata-doce, cebola e feijão. Ovo, leite e alimentos ricos em açúcar também costumam causar flatulência. Nutricionistas orientam que, obviamente, esses produtos não devem ser simplesmente retirados da dieta, mas é importante que seu consumo seja moderado, ainda mais nos dias mais quentes.

Bebidas gaseificadas também provocam a dilatação do estômago. Refrigerantes são ainda mais nocivos que água com gás, pois contêm sódio, que também causa inchaço. O sódio – presente em biscoitos, biscoitos, sopas desidratadas, macarrão instantâneo, embutidos, conservas e outros alimentos industrializados – contribuem para a retenção de líquidos. Para desinchar, ofereça ainda mais líquido ao seu corpo: beba no mínimo dois litros de água por dia e chá. Pode parecer um contrassenso, pois se o inchaço é justamente pelo excesso de líquido, mas isso mesmo: ao urinar são eliminados os excessos de toxinas, o que promove uma espécie de “faxina” no organismo e reduz o inchaço. Chás como o branco, o verde, o de cavalinha e de hibisco costumam ser bastante eficazes.

Para fugir do desconforto
– Mantenha o ritmo de treinos para estimular a circulação sanguínea
– Ao longo do dia, fique atento para não passar muito tempo na mesma posição
– Evite (ou pelo menos diminua) o consumo de sal no preparo dos alimentos
– Reduza o consumo de embutidos, feijão, ovo, leite e vegetais como couve e repolho
– Mastigue bem os alimentos
– Abuse dos líquidos como sucos e chás, mas lembre-se que eles não substituem a água
– Deixe de lado a água gaseificada e os refrigerantes
– Não use roupas apertadas, prefira peças macias e confortáveis
– Durma ou descanse com as pernas elevadas, sobre uma almofada ou travesseiro