Share

Nike x Adidas: A disputa pelo sub 2h em maratona – por José Eduardo


Um dos maiores desejos das marcas que investem no segmento running tornou-se público nos últimos dias. Estar no pé do atleta que fará, pela primeira vez, os 42,195 km de uma maratona abaixo de duas horas.

A Nike lançou um ousado projeto para quebrar essa marca já em 2017. Chamado de Breaking2, a empresa escolheu três dos principais atletas atuais da modalidade: Eliud Kipchoge, do Quênia, Lelisa Desisa, da Etiópia e Zersenay Tadese, da Eritreia.

 

su17_rn_breaking2_hero_group_2_hd_1600

Kipchoge tem 32 anos, ganhou medalhas olímpicas, venceu campeonatos mundiais, fez a melhor marca da meia maratona (com 59:25) em 2012, e levou a medalha de ouro na maratona das Olimpíadas 2016, no Rio de Janeiro. O melhor tempo dele nos 42 km é de 2:03:05, feito em Londres 2016.

Desisa é o mais jovem, com 26 anos. O etíope estreou na maratona em 2013, em Dubai, com a marca de 2:04:45. Em 2013 ele venceu a Maratona de Boston. Após o atentado durante a prova, ele decidiu devolver a medalha à cidade como forma de homenagear todas as vítimas. Em 2015 Desisa venceu novamente em Boston, com um tempo de 2:09:17; no ano seguinte, ficou em segundo lugar.

Zersenay tem 34 anos, foi o primeiro medalhista olímpico da Eritreia, venceu quatro vezes seguidas o Campeonato Mundial de Meia Maratona, entre 2006 e 2009, e é o atual recordista mundial da meia maratona, com a marca de 58:23.

A Nike desenvolve desde 2013 um calçado que apresente condições específicas para a maratona, envolvendo especialistas nas áreas de biomecânica, treinamento, design, engenharia, nutrição, psicologia e fisiologia do esporte.

Um detalhe importante é que a tentativa não será em um percurso convencional. Será criado um específico, para favorecer as condições ideais. A empresa promete revelar em breve a data do teste.

A Adidas não ficou atrás e também informou que está empenhada em quebrar essa barreira. Embora com menos detalhes, a marca alemã disse ao The Wall Street Journal que está em fase final de desenvolvimento do tênis que favorecerá a obtenção do recorde, e que inclusive já teria um protótipo pronto. A grande diferença, nesse caso, é que a proposta de romper a barreira das 2h seria em uma prova convencional, e não em uma pista desenvolvida exclusivamente para esse objetivo. Os atletas seriam os que atualmente são patrocinados pela marca.

Hoje o recorde pertence ao queniano Dennis Kimetto, com 2:02:57, obtido na Maratona de Berlim em 2014 (ele é patrocinado pela Adidas e usou o modelo Adizero Adios Boost). Ou seja, são quase três minutos a serem tirados, onde o atleta terá que correr em um pace de 2:51 (sete segundos abaixo do recorde atual), que significa uma velocidade acima de 21 km/h, em média.

Resgatando o histórico de recordes mundiais, desde 1908, a evolução foi significativa, porém tem se tornado mais estável nos últimos anos. Ao fazermos uma projeção simples, considerando a mesma tendência dos últimos 35 anos, atingiríamos o sub 2h apenas em 2033. Ou seja, Nike e Adidas estão falando em “adiantar” em 16 anos essa marca.

O gráfico abaixo ilustra essa evolução. Em azul os recordes já obtidos e, em vermelho, os tempos projetados.

 

grafico

É importante deixar claro que essa projeção é apenas uma simulação matemática, feita por mim, e que não leva em conta diversos fatores, como evolução fisiológica dos atletas, investimentos em suplementos e equipamentos, avanços em metodologia de preparação, etc. Também mantive as projeções para 2015 e 2016, apesar de já ser passado, pois não tivemos recordes mundiais registrados nesses anos.

Alguns consideram que esses projetos sejam apenas respostas às pressões de marketing. Outros acreditam que realmente há condições para isso. O fato é, o sub 2h na maratona é a última fronteira do mundo running a ser superada, como foi quebrar a marca de quatro minutos por milha, décadas atrás.

Será que alguma delas terá sucesso nesse projeto? Outra marca pode surpreender? Ou as empresas pouco podem fazer para ajudar e ainda teremos que aguardar muitos anos? Só o tempo irá dizer.

 

Créditos da arte da capa: Alexandre Diniz – Instagram @diniz79

 

logo_fisio

 

 

José Eduardo Motta Garcia atua na área financeira, é mestre em administração de empresas e maníaco por maratonas. Sempre que pode, procura aliar as duas atividades que mais gosta: viajar e correr. Fale com o José Eduardo: INSTAGRAM FACEBOOK