Share

De volta ao asfalto – por Valéria Spakauskas

No último dia 04 de junho, corri a ASICS Golden Run, os 21k mais esperados do ano. Estava receosa, porque ultimamente minha grande paixão é o trail, mas Mestre Branca me mandou voltar por asfalto para não perder ritmo (no trail ficamos mais lentos). Imagine, já não sou rápida, e se eu ficar só nas montanhas, vou perder mais ritmo ainda.

Sincronicidade perfeita, porque quando ele falou pra procurar uma meia maratona que eu gostasse, chega o convite do Jornal Corrida pra Asics Golden Run. Era o universo conspirando ao meu favor…

Confesso que senti um frio na barriga, já fiz muitas meias, mas a última prova que fiz, foi aquela que eu quebrei, nos 42 km do Desafio das Praias. Sempre fica aquele medinho no estômago. E se eu quebrar de novo?

Inscrição feita, lá fui eu!!!! Estava treinada, em dia com musculação, suplementos e muitos treinos BOPE de tiros. Respira e vai. Fui!

O clima dessa prova é fantástico. Desde que lançaram, eu fiz todas aqui em Sampa. Amo a organização. Amo o clima (no frio corro mais rápido e com menos “sofrência”)… Amo o kit, sempre falei isso (principalmente a viseira)… Coisas de corredora! Sim, eu me importo com o kit sim!

Larguei sem pretensão de tempo, só queria ir bem e manter o ritmo, sem precisar andar. E assim foi! Vendo minhas fotos, vejo que corri 21k sorrindo, sem parar. Dancei chegando perto da USP, com uma banda sensacional, que tocava Kiss. Ali tive que parar e filmar a energia que estava contagiando todo mundo. O percurso foi levemente alterado, adorei não ter que entrar na Usp, e nem ter que entrar no Jockey na chegada. Parece bobagem, mas faz toda a diferença terminar ali na avenida Lineu de Paula Machado. Muita gente alto astral, reencontrei amigos, tirei fotos (profissionais e amadoras). Aliás, o que não faltou nessa prova foi água (gelada), isotônico e fotógrafos! Me senti, praticamente, uma celebridade nas pistas… Era quase um fotógrafo para cada corredor!

E descobri também que, mais do que amar as montanhas (o mundo trail das praias e da lama), eu amo correr. Corri tão feliz, por estar naquela multidão de corredores, nas ruas de Sampa, naquele clima delicioso. Foi bom demais voltar para o asfalto… Mantive meu ritmo, não quebrei, não precisei andar (exceto 50m no viaduto, confesso). Sem dor nenhuma!  O cansaço só bateu perto dos 19k, mas ai faltava só um pulinho… Se tivesse que definir essa corrida em uma palavra, seria gloriosa!

Terminei feliz da vida, cheia de energia, o coração explodindo de alegria. Medalha no peito, alma lavada!!! Foi uma prova difícil (21k nunca é fácil), mas foi perfeita! Gloriosa e vitoriosa, assim me senti ao cruzar a chegada…  Endorfinei!

 

assinaturaValeria Spakauskas tem 50 anos, é formada em comunicação social. Instrutora de Yoga formada pelo Instituto Sivananda Brasil – DLS. Começou correr aos 40 anos e nunca mais parou. Maratonista com pretensões de Ultra! Treina com a Equipe Branca Esportes (SP). Fale com a Valeria: Facebook