Share

64.800 metros… eu fiz! – por Valeria Spakauskas

Sábado, dia 23 de setembro, concluí minha primeira ultramaratona. Desafio 12 horas.

Tudo aconteceu muito de repente. Recebi o convite para essa corrida no final de agosto. Já não tinha mais treino grande, em volume, pois em julho fiz a SP City Marathon, estava apenas treinando e rodando normal, sem grandes expectativas.

Perguntei por meu Mestre Branca, se poderia fazer esse desafio. A resposta foi: se joga!!!

Disse que o corpo tinha memória, que daria conta. Isso pra mim e pro meu “brother” Renato Spakauskas! Topamos o desafio com um mês apenas de preparo. Resolvemos não contar para ninguém, apenas nosso Mestre e a nossa Madrinha de Ultra, Lucina Ratinho, que nos convidou! Recebi da Gaia Esportes a inscrição… Tinha que encarar de qualquer jeito!

Ficamos em silêncio porque não sabíamos como seria. Era inédito e inesperado. Uma ultra não estava no calendário. Eu pensei comigo: meu desafio são os 50k, sempre quis chegar nessa distância, o que vier depois é lucro. Não sabia nada a respeito de provas assim. Estava no escuro mas, seguindo o conselho do meu treinador, me joguei!

Mestre Branca foi muito querido, nos preparou mentalmente e fisicamente, principalmente em relação à nutrição e alimentação. Nos deu dicas valiosas, como “corra no sol e descanse andando na sombra” (Jamais pensaria nisso!). Outra dica “Façam tiros durante a prova, para as pernas não cansarem”!!!! E por aí foi. Mas o mais importante e o que me manteve em pé, foi “Nessa semana pré prova, o que vai garantir o resultado é a alimentação, o descanso e a hidratação”. Ainda sugeriu: “coma a cada meia hora, beba malto, isotônico, soro, água, molhe o pescoço com gelo, a cabeça… Troque de roupa quando encharcar, troque o tênis, troque a meia, seque o pé… Troque o boné, enfim, cuide de cada detalhe. Uma simples bolha pode destruir sua estratégia. Atenta aos detalhes!”

Eu estava tranquila, sem cobranças absurdas, mas sabia que seria muito difícil. Foi num parque, com voltas de 1.200m. Imagina, rodar 12h em 1.200 m??? Foram 54 voltas… Insano!

Mas o parque era lindo, um lago maravilhoso, cheio de ipês rosa, muita gente bacana, amiga, camarada. Foi muito melhor do que eu pensava. Em nenhum momento senti tédio, ou mau humor. Não me passou nenhuma vez “o que estou fazendo aqui?”, ao contrário, a cada volta eu adorava mais aquilo tudo! Ultramaratonistas consagrados ali, incentivando a gente, dando força… Não tenho palavras pra descrever isso. Organização 1000! Gentis, atenciosos, queridos!! Teve pamonha, macarrão, batata cozida, pipoca, cuscuz (vegetariano), açaí… Show!

Corri, trotei e andei até quase 10h. Parei pouco tempo para o banheiro, comi em pé para as pernas não pesarem. Deixei para descansar mais à tarde… Achei que com a noite chegando e o calor diminuindo (estava 36 graus em Piracicaba e super seco), eu conseguiria correr mais. Só que quando completei 10h de prova já não conseguia mais correr. Então, o jeito foi caminhar! Foi uma prova solitária, fiquei sozinha por muito tempo, embora a pista cheia de corredores, mas cada um no seu ritmo. Conversava com alguém, ríamos, mas sempre cada um por si. E foi sensacional! Pensei em tantas coisas, mas também não pensei em nada. Apenas seguia. Fui determinada, fui em frente, e não pensei em desistir em nenhum momento.

No final da prova, faltando 20 minutos para dar 12h, eu sentei e tirei o tênis. Já não aguentava mais nem andar. Mas tinha completado 64.800m… Minha segunda meta eram 60k. Estava ótimo! Estava cansada demais, mas sem bolha, sem câimbras, apenas não dava mais… Fechamos a última volta juntos, eu e meu “bródi”. Começamos juntos, terminamos juntos!

Foi inexplicável, foi cansativo ao extremo, foi tudo novo, foi tudo incrível! Ainda não caiu a ficha…  Estou meio em transe, em estado de graça. Sim! Faria tudo de novo e com certeza farei!

Voltei pra casa com duas medalhas (peguei segundo lugar na categoria) e um sonho realizado no coração!

Obrigada a todos pelas palavras de carinho, pelas conversas inbox, a todos que me procuraram pós-prova para saber como eu estava. Obrigada a todos que entenderam o meu silêncio e minhas expectativas. Obrigada a cada um que se pronunciou, a cada Parabéns. Vocês não fazem ideia o quanto isso é importante, poder dividir uma conquista dessas com amigos! Como eu digo, amigos fazem toda a diferença. Dedico essa conquista a todos vocês! Namastê

assinaturaValeria Spakauskas tem 50 anos, é formada em comunicação social. Instrutora de Yoga formada pelo Instituto Sivananda Brasil – DLS. Começou correr aos 40 anos e nunca mais parou. Maratonista com pretensões de Ultra! Treina com a Equipe Branca Esportes (SP). Fale com a Valeria: Facebook