casal de correndo no parque benefícios da corrida para os idosos

São muitos os benefícios da corrida para os idosos já comprovados pela ciência. Um deles, confirmou que a atividade retarda o aparecimento de Alzheimer. Com a ajuda de ratos de laboratório, os pesquisadores Charles Cotman e Nicole Berchtold, da Universidade da California, em Irvine, nos Estados Unidos, descobriram as causas moleculares de algo que os cientistas já sabiam há algum tempo: correr regularmente favorece o aparecimento de novos neurônios e afasta o aparecimento das placas de proteínas que se instalam no cérebro. A doença, que costuma atacar idosos, causa demência, “apaga” a memória e impede novos aprendizados. Só no Brasil, há cerca de 1 milhão de pacientes com o distúrbio. Os neurocientistas perceberam que os camundongos que corriam assiduamente na roda desenvolviam um importante fator de crescimento neuronal (BDNF), em maior quantidade. E após um descanso de vários dias, os animais voltavam a atingir rapidamente um nível que os seus semelhantes não treinados só conquistavam por meio de um programa de corrida de semanas.

Correr regularmente favorece o aparecimento de novos neurônios.

Mas o que acontece no caso da demência já presente? A possibilidade de refrear o declínio intelectual com a prática de exercícios foi estudada por um grupo coordenado pelo pesquisador Paul Adlard, também da Universidade da Califórnia, em camundongos. Os animais foram induzidos artificialmente a desenvolver um problema genético que causa redução das células neurais. A situação é semelhante à de pessoas com Alzheimer. Os pesquisadores dividiram os roedores doentes em dois grupos. A única diferença é que nas gaiolas onde ficava um dos grupos havia uma roda de exercícios e na outra, não. Após cinco meses, os roedores que corriam apresentaram menos placas amilóides no córtex do lobo frontal e temporal do que outros, da mesma idade, que viviam em gaiolas comuns.