Antigamente, quando a infância acontecia pelas ruas, nos campos de futebol e quintais, era comum ouvirmos dizer que as crianças mais ativas, em geral, não eram os melhores alunos da turma. Volta e meia, pais e professores, ou quem quer que cuidasse dos pequenos gritava: “Menino, para de correr, vem estudar; desse jeito, você não vai bem na escola”. Corrida para crianças não era comum.

Agora, quando vivemos uma alarmante epidemia de obesidade infantil, finalmente a ciência vem confirmar o que a natureza sempre indicou: o movimento é fundamental. Inclusive, para o bom desempenho escolar. Um estudo coordenado pelo pesquisador Charles Hillman, da Universidade de Illinois, em Urbana-Champaign, mostra que crianças que se movimentam mais, em geral, obtêm melhores notas na escola. O desempenho em cálculo ou leitura, por exemplo, costuma aumentar proporcionalmente à atividade física. É possível, porém, perguntar o que determina esse resultado. Será que pais que apoiam mais seus filhos em questões escolares também os estimulam mais a praticar esportes?

Embora essa pergunta ainda não tenha sido respondida, outros estudos mostram que o bom condicionamento físico de crianças é acompanhado de melhores resultados acadêmicos. É o caso do trabalho desenvolvido pelo pesquisador Phillip Tomporowski, da Universidade da Geórgia. Agora, os cientistas querem descobrir também quais as atividades esportivas que mais estimulam a capacidade intelectual. Já se sabe, por exemplo, que o condicionamento aeróbico por meio de atividade muscular moderada, costuma ser bastante eficaz; treinamentos de coordenação motora e força também parecem reforçar as funções executivas do cérebro, ou seja, a capacidade de planejar e coordenar ações.

Eventos de corrida para crianças são um sucesso!

Enquanto a ciência não nos oferece informações ainda mais específicas, por aqui a garotada também vem aderindo à corrida. Para ter uma ideia, eventos de corrida infantis, em geral, reúnem mais de 1500 meninos e meninas com idades entre 2 e 12 anos.

Para a professora de educação física Barbara Pomim, treinadora de corrida e mãe de duas crianças, é importante estimular a participação infantil nas provas, sem pensar em resultados, e sim valorizando o desenvolvimento das habilidades de cada um, de preferência variando ao máximo os estímulos e as experiências motoras.

Acostumada a levar seu primogênito Murilo a eventos em São Paulo, Bárbara incentiva seus filhos a jogar bola, nadar, andar de bicicleta. “Tentamos trocar a televisão e o videogame por atividades físicas variadas e eles terminam adorando isso”, conta. Ela ressalta, porém, que é importante que os pais tenham disponibilidade para achar um tempo na rotina diária e praticar junto com o filho qualquer atividade física. Afinal, não há como escapar: tanto nos bons quanto nos maus hábitos os adultos afetivamente próximos são referências para crianças.